Fransoah Sabino busca apoio para produzir primeiro CD

Fransoah Sabino já tem uma história interessante para contar na música, participou no ano de 2015 de vários eventos importantes como a Virada Cultural de Belo Horizonte, a Festa da Padroeira Nossa Senhora das Neves e o Festival Pá na Pedra. O artista tem inúmeras músicas autorais e agora o intuito do músico é a realização de um sonho, mas para isso ele precisa de apoio.
O artista busca apoio para produzir o seu primeiro CD. Desde dezembro de 2015, Sabino lançou em uma plataforma de crownfunding no qual pede apoio financeiro para produção. Segundo o mesmo, o custo para produção do material é alto e inacessível para a maioria dos artistas produzirem algo realmente de qualidade. O valor de gravação do CD incluindo as cópias chegam a 12 mil reais.  “É um filho da mãe arte que deve ser concebido com todo amor, o melhor do artista, procuramos levar sempre o melhor a nosso público. Conto com o apoio de todos que querem fazer da arte real ferramenta de transformação”, ressaltou Sabino.
O CD Du Kilombo ao Gueto é a essência de um trabalho em conjunto, com a soma das energias de todos, não ser sozinho ser em par, o artista e todos que apoiam a arte,” reiterou o artista.
A campanha para arrecadar vai até o dia 06 de fevereiro, para quem tem interesse em ajudar o artista Nevense, basta clicar aqui.


Confira o clipe do artista 


Festival Pá na Pedra 2015 continuamos batendo a Pá

O Festival Pá na Pedra mobilizou Ribeirão das Neves pelo quinto ano, desde a sua criação entre os dias 3 e 6 de dezembro. Iniciamos as atividades com as oficinas na quinta-feira (3), visitando a Escola Estadual Professor Paulo Freire, no bairro Metropolitano. 
Na sexta-feira (4) realizamos no Espaço Atelier, a Festa Latina uma prévia do que viria no fim de semana. Foram contempladas exposições de desenho com os artistas Rodrigo Martins e Paulo Rodrigues. Apresentações de dança com o Projeto RUA, Rachel Miranda do Spiral Estúdio de Dança e o grupo Zarifah. Além disso houve uma intervenção literária com o pessoal da Faculdade de Letras da UFMG, denominada Antropopixo.

Os shows agitaram a Praça de Ribeirão das Neves, entre os dias 5 e 6 de dezembro com apresentação de Valsa Binária, Marcos Brey, Tamara Franklin, Lord Pow e Bruno Dub, Neverdead, Fransoah Sabino, Djambê e Verso Venenoso. Além de intervenções diversas que ocorreram, como a presença do pessoal do Neves na Fita e freestyle de Rap, com Malibu hip hop e MVS (Mente verde sounds). 


Confira o vídeo de cobertura do evento: 


Movimentos populares realizam ato para lembrar aniversário de Ribeirão das Neves e dia dos Direitos Humanos

No próximo dia 12 de dezembro (sábado) uma série de movimentos populares, artistas, coletivos e jovens vão ocupar a Praça ao lado da Câmara Municipal de Ribeirão das Neves (denominada de Praça Dazinho) em grande ato com roda de conversa, feira de produtos da economia solidária, Sarau, Rap e muito mais. O evento tem como intuito lembrar o dia de comemoração ao dia dos Direitos Humanos que é no dia 10 de dezembro e o aniversário de emancipação política e administrativa de Ribeirão das Neves, além das comemorações de 10 anos do CEPI (Centro de Estudos e Intervenção), de grande relevância e luta na cidade. O tema do encontro tem como pauta “Sonhar com a liberdade e construir a cidade”, que pretende discutir a conjuntura atual referente ao tema e as discussões acerca de Ribeirão das Neves. O ato começa às 15h com a Feira e Roda de Conversa, logo após terá as intervenções culturais com Psicóticos, Mano Bill, Cia Soma de Dança, Mente Verde Sounds (MVS), Sarau no Ribeirão e muito mais.

Festival Pá na Pedra mobiliza a cultura de Ribeirão das Neves em dezembro




A quinta edição do tradicional Festival Pá na Pedra, realizado pelo Coletivo Semifusa encerra o ano cultural da cidade. O evento é marcado por seminários, oficinas, debates, música e intervenções artísticas diversas, está marcado para mobilizar Ribeirão das Neves entre os dias 3 e 6 de dezembro, em vários pontos da cidade. Esse ano o evento terá 4 dias de programação e que abrange um público bem distinto em suas inúmeras atividades, dentre as novidades estão as oficinas de tambor e turbante, além das já tradicionais oficinas de fotografia e percussão corporal. Esse ano, também terá a festa latina que será realizada na sexta-feira, dia 4, e os já tradicionais show’s que serão no fim de semana na Praça Central da cidade.

Confira a programação completa:

03 de Dezembro (Quinta-feira)

8h - Oficina de Fotografia (Rodolfo Ataíde) - Escola da rede pública
18h - Oficina de Percussão Corporal (Marcos Brey) - Escola da rede pública
17h - Café Cultural

Local: Associação comunitária do bairro Tony.

04 de Dezembro (Sexta-feira)

Festa Latina
Oro negro DJ + DJ Rafa Roots
+Intervenções Artísticas

Local: Ateliê da Pizza
Rua Padre Rocha Cordeiro.

05 de Dezembro (Sábado)

9h - Oficina de turbante (Maria Clara Ribeiro)
10h - Oficina de Tambor (Dirceu Ferreira)
15h - Seminário “Circuito Metropolitano de Cultura”

Local: Casa de Cultura de Ribeirão das Neves
Rua José Cassimiro Nogueira, nº72 - bairro Várzea Alegre.


Shows - A partir das 17h

Valsa Binária
Marcos Brey
Tamara Franklin
Lord Pow Mx e Selecta Bruno Dub

Intervenção: Slackline (Neves na fita)
Local: Praça Central de Ribeirão das Neves.

06 de Dezembro (Domingo)

Shows - A partir das 17h

Fransoah Sabino
Neverdead
Djambê
Verso Venenoso

Intervenção: Slackline (Neves na fita)
Local: Praça Central de Ribeirão das Neves.
Confira o evento no facebook, clique aqui!


O Festival Pá na Pedra, é uma realização do Circuito Metropolitano de Cultura através do edital de patrocínio do Governo do Estado de Minas Gerais.

Rapper Nevense Tamara Franklin lança seu primeiro CD com grande expectativa

Moradora do bairro Pedra Branca em Ribeirão das Neves, Tamara Franklin de 24 anos, a artista é tratada como uma das grandes revelações da cena rap em Minas Gerais. Mulher negra e pobre da periferia, Tamara prepara seu primeiro álbum que traz inúmeras reflexões sobre o local onde vive e sobre a vida da artista.
Suas músicas trazem referências da música gospel, sambas de Adoniran Barbosa e Martinho da Vila, essa miscelânea musical é o terreno fértil onde surgem as letras contundentes da jovem compositora.
                                                                                        Foto: Pablo Bernardo

O primeiro álbum da artista intitulado       “Anônima”, com dez faixas, passeiam do blues ao raga, o álbum é muito esperado pela crítica musical mineira. A artista é destaque em vários tablóides de Belo Horizonte e foi destaque na Virada Cultural da capital esse ano, a artista também desfilou suas rimas na Festa da Padroeira Nossa Senhora das Neves, em 2015, pra cerca de 5 mil pessoas.

1 - Tamara Franklin, você já tem uma estrada como artista, apesar de apenas 24 anos de idade, você cantou anteriormente com sua irmã Winy, no duo H2s2, depois com sua irmã mais nova como dupla. Qual a dimensão desse primeiro CD pra você e quais são suas expectativas em relação a ele?

Este álbum foi planejado e construído na Xeque Mate produções por longos dois anos. A conclusão do mesmo representa a vitória de uma etapa pontuada com sucesso.  No ponto de vista pessoal, a realização de um pedacinho dos meus sonhos. Minhas expectativas são de muito trabalho e abertura de muitas portas.

2 - Existe uma grande expectativa em relação ao seu álbum, principalmente por você ser uma Rapper mulher e negra, ainda tem o fator de morar em Ribeirão das Neves, você acha que estão colocando uma responsabilidade muito grande em suas costas, ou que isso é uma responsabilidade boa que você está preparada para absorver?

Não acredito ser um fardo. Eu procuro apresentar o máximo de mim mesma em meus trabalhos e graças a Deus, muitos estão se identificando. Não me sinto na responsabilidade de agradar, me sinto responsável por ser leal a minha conduta pessoal e transmitir verdadeiramente os meus protestos diversos. Sou livre, meu trabalho é livre, e Deus está sempre no comando de tudo.

3 - Suas músicas falam muito de empoderamento, discussões sobre feminismo, sobre ser negra e mulher. O papel do rap geralmente é contestador, essas lutas foram naturais na produção das letras?

Como já disse, eu procuro cantar tudo o que eu vivo. Meu olhar crítico com relação aos fatos que vivemos sem sombra de dúvidas é essencial para a produção do meu trabalho.

4 - Falando de Ribeirão das Neves, qual sua relação com a cidade, mesmo morando em um bairro fronteiriço, geralmente quem mora nesses bairros, como Pedra Branca tem uma relação de pertencimento a cidade bem afastada?

Eu moro com minha família no Pedra Branca desde que eu me entendo por gente, e essa relação de pertencimento a cidade bem afastada se inicia com o afastamento da própria cidade. Não havia, em toda minha infância, ônibus que nos levasse direto a Neves. Lembro que após muito tempo foi disponibilizado um ônibus que nos ligava ao bairro Santinho, passando pelo centro da cidade. A frota que assistia meu bairro pertencia a BH. Enfatizo ser moradora de Ribeirão das Neves para que a própria população consiga entender que a nossa cidade possui aspectos positivos. Neves não é só cadeia, tem músicos, tem cultura, tem História...E tudo isso é importante ser resgatado e ofertado a conhecimento da população para que haja identificação desta com a cidade. Ribeirão das Neves não é Ribeirão das Trevas.  

5 - Você fez um show na Festa da Padroeira de Ribeirão das Neves esse ano pra cerca de 5 mil pessoas no Parque Ecológico, como foi?

A sensação de cantar em minha casa foi única, pois tivemos a sensação de que o trabalho cultural oriundo de Neves está sendo identificado e reconhecido. Isto para nós tem não preço.

6 - Atualmente o rap tem se renovado bastante, muito em função da internet chegando até o mainstream com artistas como Emicida e Criolo. Você sonha alto assim? Até pela questão aqui já mencionada de representar às mulheres?

Realmente eu represento as mulheres por ser mulher, questão óbvia, mas não gosto de titularizar meu trabalho. Quero representar qualquer um que se identifique com o meu trabalho e se sinta representado por ele. Eu quero muito que meu trabalho tenha a visibilidade como o trabalho dos meninos citados possuem, não creio que seja ambição demasiada pensar nisso. O segredo é trabalho pesado e isto estou disposta a fazer.

7 - Fala mais sobre o álbum, quando fica disponível e como as pessoas podem adquirir?


O álbum “Anônima” está muito musical. Temos a influência da música original africana, inclusive participações de rapper's de Angola e Moçambique, samba, forró, e participações de rapper's consagrados de Minas Gerais. Foi construído com muito carinho na Xeque Mate produções. Por termos participações estrangeiras, o registro do álbum demorou além do previsto e ele ficará pronto no final de novembro; estará disponível, inicialmente, na loja Estilo de Rua (direção: Blits) no shopping UAI em frente a rodoviária de BH. O pré-lançamento acontecerá no dia 13/11 no espaço cultural Matriz (em frente à Praça Raul Soares), às 22H.


Circuito Periférico chega ao Barreiro em setembro


Projeto que desenvolve plataforma de intercâmbios socioculturais e a articulação de um circuito de apresentações em regiões de difícil acesso, tem sua nova edição, agora no Barreiro. Depois de passar em Venda Nova, Circuito Periférico chega ao Barreiro, entre os dias 8 e 12 de setembro.
Com o objetivo de promover o intercâmbio entre agentes culturais de regiões periféricas de Belo Horizonte e Região Metropolitana, além, de oportunidades para movimentar a cena cultural e ações de formações para artistas da periferia, o Circuito Periférico traz inúmeras atividades para o Centro Cultural Urucuia.
Confira a programação completa do evento, que pode sofrer alterações:

08/09 - Terça (19h): - Apresentação do Circuito Periférico;
- Reunião do fórum de música +  Pocket Show

09/09 - Quarta (19h): - Roda de conversa - Vivências artísticas: Participação de 12duoito, Favela Groove, Marcos Brey, Beat Selecter Brasil.
 Pocket Show  - Anderson Lobo e Cristiano Lemos.

10/09 - Quinta (19h): Workshop - Conexões urbanas: Participação Coletivo Semifusa (Ribeirão das Neves), Move Cultura(Contagem), Circuito Mineiro de Coletivos, Embaixada Cultural, Ocupação Cultural, Conexão Autoral, Oficina Feminina de Rap, Forum Popular de Cultura de Contagem, F5(Festival de Cultura Independente de Contagem. 
Pocket Show - Fransoah Sabino e Alexandre Augusto.

11/09 - Sexta (19h): - Palestra “Corre Criativo” (Empreendedorismo cultural).
+  01 Show com banda da regional Barreiro. Encontro de Saraus.
-       16h às 19h - Oficina de DJ

12/09 - 14:00 Festival de encerramento - Syfode, Cretinos e Calhordas, Banda Favela Groove, Celso Moretti, Coletivo Beat Selecter (Rafa Roots), Fúria Negra e Inconstancy. Intervenção - Gestos Grupo de dança.

O Circuito Periférico é uma ação do descentra cultura, com apoio da Fundação Municipal de Cultura e os centros culturais de Venda Nova e Urucuia.
Endereço: Rua W3, 500, Urucuia

Telefone: 3277-1531

Circuito Periférico movimenta a cena cultural em Venda Nova

Projeto que desenvolve plataforma de intercâmbios socioculturais e a articulação de um circuito de apresentações em regiões de difícil acesso, tem início no próximo dia 28 de julho (terça) e tem agenda cheia até o dia 1 de Agosto, culminando nos shows. Dentre as atividades haverão apresentações musicais de  cantautores, bandas autorais e dj´s conectados a cenas de regiões periféricas de Belo Horizonte e Região Metropolitana.
Com o objetivo de promover o intercâmbio entre agentes culturais de regiões periféricas de Belo Horizonte e Região Metropolitana, além, de oportunidades para movimentar a cena cultural e ações de formações para artistas da periferia, o Circuito Periférico traz inúmeras atividades para o Centro Cultural de Venda Nova.


Confira a programação completa do evento:

28/07 - Terça (19h): - Apresentação do Circuito Periférico;
                                  - Reunião do fórum de música;
                                  - Pocket Show de Fransoah Sabino

29/07 - Quarta (19h): - Roda de conversa - Vivências artísticas: Participação de 12duoito, Favela Groove, Marcos Brey e Beat Selecter Brasil;

30/07 - Quinta (19h): Workshop - Conexões urbanas: Participação Coletivo Semifusa (Ribeirão das Neves), Move Cultura(Contagem), Circuito Mineiro de Coletivos, Embaixada Cultural, Ocupação Cultural, Conexão Autoral, Oficina Feminina de Rap.
                                  
31/07 - Sexta (19h): - Incubadora de artistas com representante da Fundação Municipal de Cultura e Oderval Junior, mais “Corre Criativo” (Empreendedorismo cultural).

01/07 - Shows: 16h - Sociedade crua
                           17h - Núcleo fantasma
                           18h - Fransoah Sabino
                           19h - Uai Sound System
                           20h - Bruno Dub & Lord Pow Mx                                                                                                                                                                                                                                
                           21h - 12duoito

O Circuito Periférico é uma ação do descentra cultura, com apoio da Fundação Municipal de Cultura e os centros culturais de Venda Nova e Urucuya. O mês de julho será em Venda Nova, em agosto a ação atende a região do Barreiro no Centro Cultural Urucuya.